terça-feira, 15 de setembro de 2020









me afogo no fundo reverso
me perco na grande angular
a mesma canção a soar
em meus intestinos
onde eu vou me agarrar?
um rascunho em maldoror
os pés no barro fresco
não deixam pegadas
para quem não sabe nada
é melhor ir embora agora
ora, ora a profundidade
onde é que está?
lua, lua que não cessa de girar
minha mão que não te alcança
meu fim de linha, onde estará?

sempre fico

 




não basta a boa vontade
é preciso um pouco de sorte
um sorriso de lado
alguns tostões e o céu estrelado
é preciso um pouco mais que sorte
algo mais que a boa vontade
um chapéu de banda
algum dinheiro e o céu estrelado
óculos escuros nem sempre adianta
nem a sorte que me acompanha
ou aquela velha boa vontade
e a grana que me ameaça
sempre fico com o céu estrelado

terça-feira, 8 de setembro de 2020

deu zebra



estampa de zebra não fica bem nem em zebra

quando o sol bater

 

                  


                

                                        solzinho, querendo entrar                                             eu aqui sozinho...                                                                                minha inocência             esperando ser desvelada

deglutição

 


preciso voltar a ela
tudo tão incerto
como o verso

                    


                          o amor é igual ao ódio, não o avesso

                                         quer dizer

                                     onde me arremesso?

genuflexório

                                  

a poesia vem da poesia
eu te peço, porém
não se venda poesia
amem